AO ACASO 4


Cultuo a onipotência festiva do nada.