SEM LINHA

Atualizado: 21 de Ago de 2019


Desta vez não queria saber de gritar para dentro como era de costume.

A efervescente ebulição de sua alma rasgava seu corpo.

Alimentou seu monstro interno por décadas.

Grande e inflado ele rompeu as amarras.

Erguendo os braços se manifestou.

Ao estilo super-herói rasgou a roupa fazia tempo apertada. Não lhe cabia mais.

Fizeram-na encolher, abaixar, dobrar os joelhos. Resistira.

Aprendera a coexistir.

Agora sentia tudo. Sentindo tudo dançava. Sem música, tampouco festa.

Bailava sem controle.

Erguendo os braços se manifestou.

Assumiu o enlouquecimento.

Louca e livre.

Berrava sóbria.

Inebriada de amor próprio.

Subiu na balança. Quebrou o espelho.

Jogou o salto alto no mar.

Soltou o cabelo no ar.

Deixou a roupa que restou perdida no asfalto.

Nua e sua.

Agradeceu o momento.

Plena e pura.

Sem linha nem costura.

Nunca reta.

Sempre curva.





Imagem: Unsplash/Suetlana Pochatun

97 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

AO ACASO 51

Se a ação era sem intenção desnecessário o perdão. Se a ação trazia compreensão necessária a compaixão. Se a ação denota consciência concorde com a consequência.

© 2017 Cristina Fürst. All Right Reserved.