TOWANDA

Atualizado: 21 de Ago de 2019


Putas ...nós?

Só porque nascemos fêmeas?


Por que comemos do fruto proibido e ainda tivemos a audácia de oferecê-lo a Adão?

Parece pouco – não diga?

Acho mais provável que seja porque temos três orifícios no meio das pernas, e um deles seja consagrado à espécie macho. Para o deleite de alguns.

Somos vítimas? Demos motivo? Provocamos? Somos mais fortes?

Não é nosso o objeto perfurocontundente que invade corpos com ou sem consentimento. Nem o temos. Sem inveja. Acreditem. Freud não explica. Complica.

Será que a violência moral elucida?

Putas porque temos a desfaçatez de escolhermos com quem deitar?

Putas porque temos que aceitar sermos molestadas simplesmente pelo fato de termos nascido fêmeas?

Putas por não termos o direito de dizer não?

Putas porque fazemos por dinheiro?

Putas porque vestimos o que queremos?

As inquisições mudaram de forma. Mudaram de métodos. Mudaram de técnicas.

Mas é só olhar. Ainda existem. Estão em todo lugar.

Inquisidores espancam. Maltratam. Agridem e matam mulheres todos os dias.

É permitido molestar. Gritam os arautos da moral e bons costumes, detentores do poder central. Motivos, para esses, sempre existirão. Queremos ver convencer.

Propagadoras da luxúria. Bestas depravadas e tão ofensivas que merecem apanhar somente por existirem.

Não tem este texto a pretensão de ser uma ode contra o masculino.

Pelo contrário. O intuito é o enlevo ao feminino.

Perseguido, vilipendiado por ter um ventre.

Usurpado, queimado e capitalizado.

Lugar de culpa. Lugar de criminosa.

Jamais será. Agora o lugar está em desocupação. Espécie em extinção.

Esta letra não nos pertence mais.

Séculos e séculos se passaram.

Muitas morreram. Milhões lutaram, outras tantas acordaram.

A sociedade festeja com honra e glória a manifestação da igualdade embrionária entre os sexos.

Para aqueles que não entendem. Para aqueles que não despertaram.

Não cochilem. Não durmam. Não pisquem.

Nada mais será como antes.

TOWANDA!!

Imagem elaborada pela autora


0 visualização

© 2017 Cristina Fürst. All Right Reserved.