INTERVALO

Atualizado: 19 de Ago de 2019


Gosto da vida que acontece nos intervalos. Adoro um café. Melhor ainda se for em uma praça. Artifício perfeito para observar o tempo passear.

Ouvir música só em pensamento. Sentar na areia da praia, colocar o olhar no infinito e se deixar levar pelo ir e vir das ondas.


Fumar sem ser fumante.

Andar. Um passo após o outro. Sem pedal nem marcha. Os pés em um calçado confortável e nenhum peso nas costas. Somente o caminhar. Sem rumo e sem destino. Sem hora para chegar ou exemplo para dar.

Largar o corpo no sofá. Não ligar a TV, não checar o celular, esticar as pernas e se permitir estar.

A letargia contida no balançar da rede.

O deleite manifestado na consciência do prazer com o encontro do momento.

Aquele instante único que separa a conquista difícil da rotina diária. Comemorar.

Tomar sorvete.

Se jogar em um abraço de mãe.

O esperar pela festa.

Os intervalos são o sal da vida.

Liberam o caminho. Abrem portas, escancaram janelas. O ar circula.

Intervalo é respeito, é encontro. Veneração.

É o ar. É a água. Aplaca o fogo e irriga o solo da vida.

A vida real acontece nos intervalos.

Imagem elaborada pela autora.


167 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

AO ACASO 51

Se a ação era sem intenção desnecessário o perdão. Se a ação trazia compreensão necessária a compaixão. Se a ação denota consciência concorde com a consequência.

AO ACASO 50

Quando sua mão pousa firme em minha anca sinto a vida correr pelo meridiano do meu corpo.

© 2017 Cristina Fürst. All Right Reserved.