LAVANDA NA VARANDA


Nasci no Beltane – festival da fertilidade - porque o Brasil está no hemisfério sul, se fosse no hemisfério norte seria Samhain. 1° de maio . Abertura de portal para comunicação entre os vivos e os mortos, pelo menos para os celtas.

Além da coincidência da data trago comigo três sinais de nascença em cor vermelha marcados na pele que não têm correspondência em nenhum ancestral sabido.

Na Idade Média possuir no corpo marcas vermelhas seria causa justa para a fogueira, afinal o Diabo marcou você.

O conjunto desses fatos e circunstâncias me fizeram crer que possuo uma bruxa dentro de mim. E para corroborar minha crença, sou chocólatra, ouço vozes, vejo vultos e leio pensamentos. Assim acredito.

Fato é , portanto, queria ter e manter rotinas e rituais que reforçassem esse estigma.

Determinada no propósito foi que a busquei por cinquenta e quatro anos. Precisava dela para fechar o rol das minhas idiossincrasias.

A lavanda na varanda era um desejo antigo, quiçá de outras vidas. Encontrá-la em uma casa especializada em plantas e flores foi um acontecimento. Ali mesmo nos apaixonamos e levei-a para casa.


Com cuidado plantei-a em jardineiras e com júbilo a vi florescer, crescer e proliferar.

Em retribuição ela conversa comigo todos os dias. Fala como se sente. Me conta se o dia foi quente ou fresco. Reclama do lugar escolhido quando não é do agrado. Pede água, pede poda e me devolve com amor seu aroma incomparável. Indescritível todas as sensações que ela proporciona. Me limpa, me harmoniza. Seu chá conforta, sua beleza encanta, seu banho purifica, no sono afugenta meus piores pesadelos.

Vivo hoje em harmonia, num verdadeiro estado de nirvana mesmo com o rock in rio no bairro , com a cidade e todos os seus problemas agravados pela violência usual, o país com o desgoverno e corrupção, o mundo dominado por loucos, todos soltos de uma vez.

Lavandas na varanda. Paraíso e paz mesmo estando na terra. Me perdoem os que preferem cachorros.Ainda vou ter um gato...preto.

Obs.: Exercício Escola Passagens - Tema: Crônica sobre uma planta

Imagem elaborada pela autora


291 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

AO ACASO 51

Se a ação era sem intenção desnecessário o perdão. Se a ação trazia compreensão necessária a compaixão. Se a ação denota consciência concorde com a consequência.

AO ACASO 50

Quando sua mão pousa firme em minha anca sinto a vida correr pelo meridiano do meu corpo.

© 2017 Cristina Fürst. All Right Reserved.