DEVOLVA A MINHA GRAÇA

Atualizado: 19 de Ago de 2019


O que era aquele calor? O calor abissal talvez não fosse o único vilão do enorme conflito que o afligia. Por que sempre associava seus desconfortos físicos emocionais ao clima?

O sentimento de inadequação total e absoluto lançava-o num abismo sem eco.

Uma mistura de suor, mágoa e raiva produziam em seu corpo uma verdadeira hecatombe sistêmica.

Poeticamente digredia, devaneava. Nada poderia estancar o sangue que jorrava de seus invisíveis poros, colorindo de tal forma sua visão geográfica que o fazia enxergar tudo vermelho rubi. A cor do inferno, diriam.


Agora que havia sido descoberto, deveria contar tudo à família, antes que algum alcoviteiro o fizesse.

Não sabia como. O julgamento dos outros, em especial o dos seus parentes mais próximos, não poderia suportar, supunha.

Afinal, foi surpreendido saindo de um beco! Bêbado e feliz, acompanhado de forma a sugerir intimidade, de um jovem com metade da sua idade, um tanto quanto afeminado – seus preferidos - o que acabava por entregar de forma irrefutável sua transgressão.

Gritava mudo, ainda que alterado, não era intenção gerar alarde em casa.

Sua dor emocional era dilacerante, na sua visão verdadeira e pungente, tamanho era seu desespero.

Foi educado para ser perfeito.

Triste descobrir que toda perfeição idealizada não existia.

As coisas apenas são.

Desesperou-se e logo em seguida acalmou-se. Tinha afinal uma saída.

Acreditava agora com toda força na vida. E para ele vida era tudo.

Tudo era uma questão de conjectura e coragem,concluía.

Sua dor foi sendo dissipada.

De forma cautelosamente programada aguardou que sua esposa saísse de casa.

Dirigiu-se então ao closet e escolheu, dentre tantos, o mais bonito vestido que encontrou (para sua preferência). Vestiu-o .

Agradecia aos céus neste momento a compleição física esmirrada. Olhou-se no espelho e gostou. Gostou muito do que viu, acabando por entregar-se a um riso histérico, solto e irrefreável.

Não hesitou em passar sobre os lábios aquele batom escarlate que tinha comprado secretamente em uma loja especializada em maquiagem.

Foi assim, desse jeito, que foi para a rua.

O calor não o afetava. Ao contrário, o aquecia de forma acolhedora.

Os olhares curiosos, frontais e de todas as formas não mais o molestava.

Sorria para dentro imaginando a expressão de sua esposa quando lesse no espelho do quarto a frase que deixou escrita com o mesmo batom que usara para sua fuga magistral: Pegue o seu incêndio e devolva a minha graça!!


0 visualização

© 2017 Cristina Fürst. All Right Reserved.